OS CRISTÃOS-NOVOS FORAM OS PRIMEIROS COLONIZADORES DO BRASIL

Os Cristãos-Novos foram os primeiros colonizadores do Brasil

Por Marcelo Miranda Guimarães (*)

Um povo que preserva sua identidade e conhece suas raízes deixará com certeza seu legado na história. As etnias formadoras do povo Brasil são perfeitamente conhecidas, destacando-se o indígena, o africano e o europeu, mormente o povo lusitano, nosso colonizador. Mas, quem foram esses aventureiros portugueses? Degredados, desafortunados e banidos de seu país? Por que eles se arriscaram bravamente no horizonte desconhecido? Viriam ao encontro do novo mundo atraídos somente pelas riquezas e maravilhas da terra do Pau-Brasil? De fato, vários historiadores do Brasil colonial ocultaram uma relevante etnia que havia em Portugal denominada Cristãos-Novos, ou seja, judeus ibéricos que foram obrigados à conversão forçada ao catolicismo por imposição dos Tribunais do Santo Ofício da Inquisição.

A história relata que, em 31 de março de 1492, os judeus foram expulsos da Espanha pelos reis católicos Ferdinando e Isabel. Mais de 100.000 judeus cruzaram a fronteira adentrando em Portugal, na esperança de livremente praticar suas crenças. Em 1496,  Dom Manoel I, o Venturoso, se casou com a filha dos reis católicos da Espanha, na condição que Portugal também expulsasse os judeus. Dom Manoel I, interessado nos benefícios que a união das coroas traria, promulgou o decreto de expulsão em 5 de dezembro de 1496. Referindo-se ao aludido decreto, o historiador Arnold Wiznitzer destaca:

“Porém este decreto foi fraudulento em sua essência, pois o objetivo que visava não era a expulsão dos judeus e sim alcançar, mediante a força e artifícios, a conversão de aproximadamente 190 mil judeus residentes em Portugal, quase 20% da população total do país,”(1)

Dom Manoel estabeleceu prazo (de janeiro a outubro de 1497) para que todo judeu passasse por um processo de conversão ao catolicismo, caso desejasse permanecer em Portugal. Em outubro do mesmo ano, Dom Manoel anunciou que disponibilizaria naus às margens do Rio Tejo que os levaria de volta ao seu país de origem, a Terra Santa. Porém, naquele dia nenhuma nau apareceu e aquela multidão foi obrigada à uma conversão forçada, sendo ali mesmo naquela praça onde foram batizados em pé. (2). Daí surgiu a expressão até hoje conhecida: “ficaram a ver navios.”.

Assim, o escopo de Dom Manuel foi alcançado e a permanência dos judeus em Portugal estava garantida, sem desmantelar a situação financeira e comercial daquela época, além de assegurar a grande influência intelectual. Os judeus eram prósperos e, muitos deles, eram credores da Corte Portuguesa, financiando a construção de naus que zarpavam em direção à Índia e, posteriormente, rumo ao descobrimento do novo mundo.

A situação dos judeus tornou-se muito penosa, pois além de serem obrigados a abraçar a fé cristã, tiveram seus bens espoliados, sendo humilhados e confinados a viver naquele país. Voltar para Espanha, de onde foram expulsos, era impossível, bem como seguir em frente, tendo à vista o imenso oceano Atlântico. Alguns conseguiram escapar pelo Mediterrâneo alcançando às terras marroquinas e às cidades costeiras ao sul da Europa. Só lhes restavam esperar divinamente por um novo milagre: a abertura de um novo Mar Vermelho.

Naquele momento de crise, perseguição e desespero, Pedro Álvares Cabral, juntamente com alguns cristãos-novos, dentre eles o poliglota Gaspar da Gama, capitão-mor, que gozava de grande prestígio junto ao Rei D. Manuel (3). Pode-se imaginar a alegria de Gaspar da Gama, primeiro judeu a pisar na Terra de Vera Cruz, regressar a Portugal, levando consigo a boa nova: foi descoberto um paraíso, uma terra cheia de rios e montanhas, fauna e flora jamais vistos. Teria pensado consigo: não seria aquele lugar descoberto uma “terra escolhida” para meus irmãos hebreus? Esta imaginação começou a tornar-se realidade quando o judeu de origem italiana, Fernando de Noronha (Ferdinando della Rogna), primeiro donatário do Brasil, demanda trazer um grande número de mão de obra para explorar seiscentas milhas da costa, construindo e guarnecendo fortalezas na obrigação de pagar uma taxa de arrendamento à coroa portuguesa a partir do terceiro ano (1503 a 1506). Assim, milhares e milhares de cristãos-novos fugindo da chamada “Santa Inquisição” e das perseguições do “Santo Ofício” de Roma, começaram a colonizar o Brasil. Importante destacar que o presente artigo pretende abordar a contribuição dos Cristãos-Novos na colonização, sem desconsiderar a presença de outros grupos.

Fernando de Noronha, iniciou seus negócios com a exploração e comércio do pau-brasil e, em seguida, trouxe o plantio da cana-de-açúcar das ilhas de São Tomé e da Madeira, estabelecendo os primeiros engenhos e o sistema de plantation (monocultura para exportação).

Destaca-se, também, outro cristão-novo, Diogo Fernandes, o primeiro dono do Engenho “De Santiago” no nordeste brasileiro (posteriormente, Pernambuco).(4).

Afinal, os cripto-judeus portugueses, como qualquer outro judeu da diáspora, procurava um lugar tranquilo e seguro para ali se estabelecer, trabalhar, e criar sua família dignamente. Na Terra de Santa Cruz os cristãos-novos prosperaram e se multiplicaram.

Em 1531, Portugal obteve de Roma a indicação de um Inquisidor Oficial para o Reino, e em 1540, Lisboa promulgou seu primeiro Auto-de-fé. Daí em diante, a colônia brasileira tornou-se local de exílio, para onde eram transportados os réus de crimes comuns, bem como judaizantes, ou seja, aqueles que aparentemente afirmavam ser cristãos-novos, porém, continuavam em secreto a professar a fé judaica.

Mas, esta tranquilidade acabou em 1591, quando o Brasil recebeu a visita do primeiro inquisidor, Heitor Furtado de Mendonça, enviado pelo Tribunal da Inquisição Portuguesa. A partir desta data inicia-se as delações daqueles que praticavam o crime de heresia naquela época, a saber, as práticas de tradições e ritos judaicos, bem como, bruxarias, feitiçarias, magias, incluindo também os apóstatas, bígamos, sacrílegos e qualquer outra conduta que ferisse os dogmas da Igreja Católica.

A perseguição aos cristãos-novos brasileiros representou mais de 80% dos processos da Inquisição portuguesa. Isto se deve à discriminação do povo hebreu como “assassinos” de Cristo desde os primórdios do cristianismo, seguido do interesse econômico, haja vista que os bens daqueles que se encontravam sob processos inquisitoriais eram confiscados.

Vários historiadores brasileiros que analisaram os processos inquisitoriais disponíveis na Torre do Tombo, em Lisboa, apresentam detalhes históricos desses colonizadores brasileiros que foram deportados, presos, processados, julgados e condenados às fogueiras da inquisição portuguesa. Portanto, ao se estudar tais processos pode-se constatar peculiares características, costumes, tradições que resultaram numa relevante influência judaica na formação do povo brasileiro.

O historiador americano Arnold Wiznitzer registra:

“Em 1624, o Brasil tinha aproximadamente cinquenta mil habitantes brancos. Em número, tão amplo como era, incluía uma alta percentagem de marranos (cristãos-novos).Eram estes, negociantes, e lavradores, donos e administradores de lavouras e engenhos, exportadores e importadores, pedreiros, clérigos católicos, professores, escritores e poetas. As minutas dos processos da Santa Inquisição em Lisboa contra vinte e cinco judaizantes brasileiros processados antes de 1624, foram muito bem conservadas, (e estão legíveis) nos arquivos da Inquisição da Torre do Tombo, em Lisboa. Os nomes dos judaizantes e os números de seus dossiês são os seguintes (6):

Alcoforada, Ana 11618 Lopes, Guiomar 1273
Antunes, Beatriz 1276 Maia, Salvador da 3216
Antunes, Heitor 4309 Mendes, Henrique 4305
Costa, Ana da 11116 Miranda, Antonio de 5002
Costa, Brites da 11116 Nunes, João 12464
Dias, Monoel Espinosa 3508 Rois, Ana 12142
Duarte, Paula 3299 Souza, Beatriz de 4273
Favella, Catarina 2304 Souza, João Pereira 16902
Fernandes, Beatriz 4580 Souza, Jorge de 2552
Fontes, Diogo 3299 Teixeira, Bento 5206
Franco, Lopes Matheus 3504 Teixeira, Diogo 5724
Gonçalves, Diogo Laso 1273 Ulhoa, André Lopes 5391
Lopes, Diogo 4503

LISTA DE CRISTÃOS-NOVOS BRASILEIROS EXECUTADOS PELA INQUISIÇÃO EM LISBOA – ENTRE 1644 A 1748

AUTO-DE-FÉ NOMES DOSSIÊ
10 de julho, 1644 Gaspar Gomes 5019
15 de dez.,1647 José de Lis (Isaac de Castro) 11550
14 de julho,1686 Theotonio da Costa 2816
30 de julho, 1709 Rodrigo Álvares 999
14 de outubro,1714 João Dique de Souza 10139
16 de novembro, 1720 Theresa Pais de Jesus 2218
16 de outubro, 1729 João Thomas de Castro 9999
17 de junho, 1731 Felix Nunes de Miranda 2293
06 de julho, 1732 Miguel de Mendonça Valladolid 9973
06 de julho, 1732 Guiomar Nunes 11772
06 de julho, 1732 Diogo Correia do Vale 821
06 de julho, 1732 Domingos Nunes 1729
06 de julho, 1732 Luis Miguel Correia 9249
20 de setembro, 1733 Fernando Henrique Álvares 8172
01 de setembro, 1737 Manoel da Costa Ribeiro 1361
18 de outubro, 1739 Luis Mendes de Sá 8015
18 de outubro, 1739 Antonio José da Silva 3464
20 de outubro, 1748 João Henriques 8378

(TODOS ESSES DOSSIÊS SE ENCONTRAM NO ARQUIVO DA TORRE DO TOMBO EM LISBOA)(7).        

Durante o domínio Holandês no Brasil (1640-1654) foi permitida a prática do judaísmo, pois a Holanda não fazia parte dos países que adotaram as leis da Inquisição. Centenas de judeus de origem portuguesa que escaparam para a Holanda acompanharam o desbravador e conquistador Maurício de Nassau, que no nordeste brasileiro, fundou a cidade de Maurícia, hoje Recife. Nessa cidade sede do domínio holandês no Brasil foi fundada a 1ª Sinagoga das Américas a “Zur Israel” (Rocha de Israel) e, depois, a Magen Avraham (Estrela de Abraão), sendo nomeado o primeiro Rabino Ytshac Aboab da Fonseca, holandês de origem portuguesa, como líder espiritual da primeira comunidade judaica do Brasil.

Com a expulsão dos holandeses em 1654, vários judeus regressaram à Holanda juntamente com o rabino Ytshac e seus familiares. No Museu da História da Inquisição, o primeiro do Brasil, localizado em Belo Horizonte, há painéis de fotos das lápides com os respectivos nomes desses judeus colonizadores que regressaram à Holanda. Eles estão enterrados no Cemitério judaico ‘Beit Haim’ (Casa da Vida), em Amsterdam. Outros se mudaram para o Caribe e de lá ajudaram seus patrícios a fundarem a Nova Amsterdam, hoje, Nova Yorque. No cemitério judaico sefaradita desta cidade, no Bairro China Town, pode-se encontrar alguns nomes dos judeus luso-holandeses oriundos do domínio holandês no nordeste brasileiro. Entretanto, parte dessa importante comunidade permaneceu no Brasil e adentrou-se para o sertão nordestino, sujeitando-se às leis inquisitoriais, as quais foram extintas no Brasil somente em 31 de março de 1821, após vigorarem por quase três séculos. Nas cidades de Caicó, Seridó, por exemplo, ainda é possível encontrar descendentes de judeus da época do domínio do Príncipe Nassau.

Posteriormente, com o início do Ciclo do Ouro em Minas Gerias, milhares de cristãos-novos imigraram para as terras mineiras atraídos pelo ouro, diamantes e pedras preciosas.  A tese de doutorado da professora Neusa Fernandes, intitulada “A Inquisição em Minas Gerais no século XVIII”, mostra o quão relevante foi a presença e o grande legado desses “B´nei Anussim” (filhos dos forçados, em hebraico) nas terras mineiras.(8).(Relatar a presença dos cristãos-novos portugueses nas Minas Gerais seria outro tema a ser abordado numa outra oportunidade).

Lista de alguns Cristãos-Novos de Minas Gerais (Villa Rica, Ribeirão do Carmo e outras cidades mineiras) extraditados e condenados por crime de ‘judaísmo’ às fogueiras da Inquisição em Lisboa durante o Ciclo do Ouro no século XVIII

NOMES PROCEDÊNCIA EXECUTADO EM
Diogo Correia do Vale Villa Rica 1730
Domingos Nunes 1729
Luis Miguel Correia 1730
Matheus de Moura Fogaça 1716
Manoel da Costa Ribeiro 1734
Luis Mendes de Sá Ribeirão do Carmo 1738

OUTROS CONDENADOS NÚMERO DOSSIÊ
Agostinho José de Azevedo 8670
Antonio Sá Tinoco 2490
David de Miranda 7489
David Mendes da Silva 2134
Domingos Nunes 1779
João de Moraes Montezinhos 11769
João Luiz de Mesquita 8018
José Nunes 430
Luiz Vaz de Oliveira 9469
Luiza Pinto 252
Manoel Gomes de Carvalho 7760
Martinho da Cunha 8109
Miguel Nunes Sanches 8112

Fonte: Neusa Fernandes- A inquisição judaica em Minas Gerais no século XVIII- Eduerj – Rio (9)

Os Bandeirantes Cristãos-Novos

Não podemos deixar de registrar a presença de alguns bandeirantes, cristãos-novos, como Raposo Tavares, Pedro Vaz de Barros (fundador de São Roque-SP), os irmãos Fernandes (fundadores de Sorocaba-SP) e Borga Gato, bandeirante paulista que descobriu as minas de Sabará, em Minas Gerais.

A Professora Dra. Anita Novinsky, em seu livro “Os judeus que construíram o Brasil” registra: (10)

Uma vida especialmente envolta em mistérios é a do personagem Antonio Raposo Tavares, a quem, segundo seu principal biógrafo, o historiador português Jaime Cortesão, devemos a formação do nosso território nacional. Revolucionário, explorador, político e idealista, não houve quem o superasse. Entretanto, por razões que ainda desconhecemos, Raposo Tavares foi esquecido pelos historiadores até o início do século XX. Seu nome e sua biografia nunca foram mencionados, o que Cortesão considera uma verdadeira “conspiração do silêncio”.

Novas pesquisas vieram alterar diversas ideias que tínhamos sobre os bandeirantes. E uma das informações que mais contribuiu para essa mudança foi o conhecimento de que muitos bandeirantes, entre eles, Raposo Tavares, eram de origem judaica, descendentes dos forçados a se batizar em 1497…Raposo Tavares representou a essência do espírito dos cristãos-novos, já manifestada tantas vezes em pensadores marranos. Foi acusado falsamente de não dar extrema-unção aos que morriam e não levar padres nas bandeiras. Entretanto, havia entre os bandeirantes padres cristãos-novos que acompanhavam as expedições e poderiam ministrar os sacramentos.”

Influência dos Cristãos-Novos nos costumes e tradições de nosso povo

A brevidade deste artigo impede discorrer com detalhes sobre o Brasil e a Inquisição, mas torna-se relevante ressaltar alguns interessantes costumes brasileiros que tiveram origem e influência dos cristãos-novos, como por exemplo:

- Tradição de casamento com consanguíneos por longas gerações, desde os tataravôs, bisavós, avós e pais. Era comum o pai escolher o noivo ou a noiva para seus filhos;

- Tradição de seguir as fases da lua, correlacionando-as com o ciclo agrícola segundo o livro de Salmos104:19;

- Deixar um pouco de grão nas lavouras para que os pobres colhessem. Esta é também uma tradição bíblica e judaica- Levítico 23:22;

- Fama de praticar usura mediante empréstimos financeiros, mas também negociando objetos e coisas. O fato é que a alcunha de “pão-duro” é empregada a dois povos aqui no Brasil: aos mineiros e aos judeus. Desde a Idade Antiga, os judeus se destacaram entre os outros povos pela prática de mútuo. Na Idade Média, na Espanha, eles detinham o poder e o controle econômico. São considerados os primeiros banqueiros;

- O ato de dizer “Deus te crie” em alusão ao costume hebraico de dizer “Haim Tovim” (boas vidas) quando alguém espirra;

- O modo de preparar e enterrar o defunto e mesmo guardar luto de semana, mês e ano. O vestir-se de preto, fazendo um corte no paletó (isto no hebraico chama-se “keriah”) ou amarrar uma fita preta no braço em sinal de luto, eram costumes judaicos;

- O costume do banho caprichado e o ato de usar uma roupa nova no sábado;

- Expressões até hoje usadas, como: “judiar”; “que massada!”, pagar “sizah” ou seja, pagar impostos, etc.

- E tantos outros costumes, como o varrer a casa de fora para dentro para não “jogar” a bênção fora, sendo uma alusão à “mezuzá” (11) que devia ser colocada na porta de entrada de uma casa.

Essas são algumas tradições que se referem à nossa cultura e à nossa etnia que possuem traços da tradição judaica.

É possível reparar os erros históricos da Inquisição?

Alguns passos já foram dados na tentativa de reparar esse inconcebível erro histórico, como por exemplo:

O Papa João Paulo II (12), durante sua visita a Israel no ano 2000, foi ao Kotel (Muro das Lamentações), colocando, entre suas pedras milenares, a seguinte mensagem:

“Deus de nossos pais, escolheste Abraão e seus descendentes para levar Teu nome às nações. Estamos profundamente tristes com o comportamento daqueles que, ao longo da História, fizeram sofrer esses Teus filhos.’’.

- Também o saudoso presidente de Portugal Mário Soares, (13) em visita oficial a Israel em 04 de novembro de 1995, reiterou seu pedido de perdão aos judeus pelas atrocidades da Inquisição:

“Sob o título ´A coragem do diálogo difícil´ evocou a importância da preservação da memória das grandes atrocidades cometidas ao longo da história, sobretudo quando o racismo, a xenofobia e o fundamentalismo religioso disseminam pelo mundo uma nova vaga de intolerância. Peço perdão pela ignorância dos Autos-de-fé que queimaram livros e pessoas(…)mais negras cenas de terror da história de Portugal(…)Só há um remédio possível para o espírito de intolerância, a liberdade de pensamento.”

Um pedido de perdão será sempre o primeiro passo para o conserto e reparo da história, bem como serve como sinal de alerta para que não se incorra nunca mais nos mesmos irreparáveis e inconsequentes erros da humanidade.

Finalmente, o que podemos trazer à memória para nos dar esperança? (14)

- Primeiro: que nunca mais essa triste e descabida história se repita;

- Segundo: temos esperança que é possível recuperar e preservar a história da identidade desses assimilados cristãos-novos. Resgatar sua cultura, sua etnografia, suas peculiares tradições, costumes e crenças nos leva ao conhecimento do que fomos, do que somos e do que seremos;

- Terceiro: uma vez que a identidade desse povo seja restaurada, com certeza sua missão e propósitos serão cumpridos e quiçá um dia, poderão retornar à terra de Israel, o berço de seus ancestrais;

- Quarto: é possível formar uma sociedade mais livre e tolerante, que respeite os direitos dos cidadãos, abominando qualquer tipo de discriminação devido à raça, credo, filosofias, convicções políticas ou condutas que atentem contra a liberdade de expressão. É necessário combater a tirania, as ideologias vazias e interesseiras, sejam de partidos ou de governos e, ainda, o antissemitismo, o fundamentalismo religioso, que destituído de alteridade, desconsidera completamente os direitos humanos. Somente assim teremos autonomia suficiente para continuar escrevendo a nossa própria história.

«Matar um homem não é defender uma doutrina, é matar um homem

«Buscar e dizer a verdade, tal e como se pensa, não pode ser nunca um delito. Nada se deve obrigar a crer. A consciência é livre», … Uma coisa é certa: que quanto melhor conhece um humano a verdade, menos inclinado está a condenar". (Sebastien Castellion (15) – 1515-1563).

Autor: Marcelo Miranda Guimarães

Associado Efetivo do IHGMG- Cadeira 39 – Engenheiro Industrial, Escritor, Teólogo e Conferencista. Fundador do primeiro Museu da História da Inquisição no Brasil.

Bibliografia e Notas

  1. Wiznitzer, Arnold – Os Judeus no Brasil colonial – A Pioneira – Editora da Universidade de São Paulo-SP, 1966.Pág. 1
  2. Lipiner, Elias – Batizados em pé – Editora Imago – Rio de Janeiro-RJ-1983
  3. Wiznitzer, Arnold – Os Judeus no Brasil Colonial – A Pioneira – Ed. Universidade de São Paulo-SP,1966 – Págs.5 e 6
  4. Ibidem ,pág.9
  5. O termo “sefaradim ou sefardita ou sefaradita” oriunda-se da palavra hebraica “Sefarad” que quer dizer Espanha.
  6. Ibidem, pág 35
  7. Ibidem, pág 147
  8. Fernandes, Neusa – A inquisição em Minas Gerais no Século XVIII – Ed UERJ – Rio -2004
  9. Ibidem, A Inquisição em Minas Gerais no século XVIII – Ed UERJ- Rio – 2004
  10. Novinsky, Anita – Os judeus que construíram o Brasil – Ed. Planeta –SP- 5ª. ed. 2018 – págs.154,155
  11. Guimaraes, Marcelo Miranda – “Há restauração para os judeus descendentes da Inquisição?” – Ed. AMES – 2005 – Belo Horizonte-MG
  12. Zenit. Encíclicas: cartas de João Paulo II sobre a Inquisição. In: Exsurge Domini
  13. Texto extraído de um vídeo gravado em Castelo de Vide pelo ex-presidente da Câmara Municipal, Sr. Carolino Tapadejo.
  14. Uma analogia à frase do Profeta Jeremias que disse: “Quero trazer à memória o que pode me trazer esperança.” Lamentações, 3:21
  15. Sebastien Castellion, foi um humanista, biblista e teólogo francês no século XV

Almeida, Leandro Thomaz de. É necessário queimar os hereges – Sébastien Castellion e a liberdade de opinião na época da Reforma Protestante. São Paulo: Fonte Editorial, 2014.

Share

Proibido cópia, gravação ou reprodução de todo ou qualquer conteúdo desse site.