DISCURSO DE ABERTURA – SOLENIDADE ALUSIVA AO DIA EM MEMÓRIA ÀS VITIMAS DA INQUISIÇÃO – Marcelo M. Guimarães – BHT

BH, 30 de março de 2019

Prezado Dep. João Leite, prezados confrades do IHGMG, prezada Teresa Santos, nossa palestrante convidada, prezados associados da Abradjin, Amigos do Museu da História da Inquisição, prezados músicos do Grupo Voilà, Prezados líderes da Sinagoga Har Tzion que gentilmente nos emprestou este local para realização de nosso evento, Prezadas senhoras e senhores,

Meu boa noite! E shalom a todos!

É uma alegria para mim e para toda a diretoria do Museu da História da Inquisição receber todos vocês para esta solenidade alusiva ao Dia em Memória das Vítimas da Inquisição, criada pela Lei Municipal 10.850/2015 por iniciativa do nosso querido amigo Vereador Juliano Lopes.

 

Não haveria sentido pleno para nós homenagear as milhares de vidas que foram perdidas e queimadas cruelmente nas fogueiras da inquisição portuguesa, tanto aqueles judeus e cristãos-novos que viveram em Portugal, como também aqueles que foram extraditados do Brasil e que tiveram o mesmo destino: – morrer em decorrência de uma intolerância religiosa, que os colocava numa classificação de hereges, que não só incluía os judeus, mas os mágicos, feiticeiros, os bígamos, sacrílegos, etc. pessoas consideradas sem alma e que deviam ser extirpadas da sociedade.

Portanto, o que desejamos expressar neste momento e na solenidade deste dia, é uma reflexão à vida e não aos mortos.

Lembremo-nos do Profeta [1]Jeremias que na terra de Israel escreveu há quase três séculos: “devemos trazer à memoria aquilo que nos dá esperança e ele mesmo dizia que se sentia prisioneiro dessa esperança”.

E que esperança seria essa?

Primeiramente, queremos trazer à tona uma inédita e riquíssima parte de nossa história que está registrada nos antigos arquivos da Torre do Tombo de Lisboa, porém ignorada pela maioria das universidades brasileiras e completamente desconhecida do público em geral.

Poucos sabem que o Brasil foi um tipo de “mar vermelho” que se abriu a esses cristãos-novos (judeus obrigados à conversão ao catolicismo), quando aqui desembarcavam com seus familiares, fugindo das atrocidades inquisitoriais. Ferdinando della Rogna, conhecido como Fernando de Noronha, foi um cristão-novo de origem italiana, o primeiro que arrendou as terras brasileiras, permitindo que para cá viessem seus desafortunados patrícios. Tivemos, nessa época, o rentável Ciclo da Cana de Açucar, quando o Brasil de fato passou a ser colonizado pelo controle dos reis portugueses.

Não podemos nos esquecer também da presença dos judeus holandeses de origem portuguesa que em tão pouco tempo marcaram para sempre presença no nordeste brasileiro, fundando as primeiras sinagogas na cidade de Maurícia que deu origem à linda Recife.

Especificamente, não podemos olvidar, o Ciclo do Ouro nas Minas Gerais que atraiu milhares de cristãos-novos de Portugal e de vários lugares do Brasil. Nesta época, a construção da Estrada Real no século XVIII e o desbravamento dos Bandeirantes, dentre eles cristãos-novos, como Raposo Tavares e mesmo Fernão Dias, que era casado com cristã-nova.

O grande legado deste povo na colonização de nosso Estado, nas tradições e costumes estão em detalhes mostrados em nosso Museu.

Eu creio que toda essa história tem sua significativa importância, mas não nos trazem por si só esperanças de dias melhores. Então, de fato, o que podemos trazer à memória daquilo que realmente pode nos trazer esperanças?

- Primeiro: que nunca mais essa triste e descabida história se repita;

- Segundo: temos esperança que é possível recuperar e preservar a história da identidade desses assimilados cristãos-novos. Resgatar sua cultura, sua etnografia, suas peculiares tradições, costumes e crenças que nos levam ao conhecimento do que fomos, do que somos e do que poderemos ainda ser;

- Terceiro: uma vez que a identidade desse povo seja restaurada, com certeza sua missão e propósitos serão cumpridos e quiçá um dia, poderão retornar à terra de Israel, o berço de seus ancestrais;

- Quarto: é possível formar uma sociedade mais livre e tolerante, que respeite os direitos de cada cidadão na sua integridade, abominando qualquer tipo de discriminação racial e de credo. Isto sim nos trará esperanças de dias melhores, quando juntos pudermos combater o fundamentalismo e extremismo religioso que fere os direitos humanos, o respeito e a dignidade humana. Isto se aplica também à tirania, às ideologias vazias e interesseiras, sejam de partidos ou de facções, destituídas de alteridade, que violenta a moral e os bons princípios que norteiam aqueles que amam e trabalham para o bem comum. Eu penso que assim teremos autonomia suficiente para continuar escrevendo a nossa própria história, mas aquela que constrói, edifica e dignifica o ser humano, criado à imagem do Criador de todas as coisas.

 

Encerro citando o filósofo e teólogo francês do século XVI, Sebastien Castellion,[2] no seu livro intitulado “De haerectis an sint persequendi[3]:

«Matar um homem não é defender uma doutrina, é matar um homem

Quando os genebrinos, a mando de João Kalvino, executaram Miguel Servet, um judeu que procurava conhecer a verdade do NT, não defenderam uma doutrina, mataram um ser humano; não aprimoraram a fé queimando um homem, como ele mesmo assevera:

«Buscar e dizer a verdade, tal e como se pensa, não pode ser nunca um delito. Nada se deve obrigar a crer. A consciência é livre», … Uma coisa é certa: que quanto melhor conhece um humano a verdade, menos inclinado está a condenar“. (Sebastien Castellion – 1515-1563).

 

A intolerância é um veneno que anula a alteridade, fulmina os Direitos Humanos, corrompendo o desenvolvimento da humanidade.

 

Agradeço ao Eterno por esta solenidade e que Ele abençoe a todos.

Meu muito obrigado

Marcelo Miranda Guimarães

Belo Horizonte, 14 de março de 2019

 

 



[1] Lamentação de Jeremias: 3:21

[2] Sebastien Castellion, foi um humanista, biblista e teólogo francês no século XVI

Almeida, Leandro Thomaz de. É necessário queimar os hereges – Sébastien Castellion e a liberdade de opinião na época da Reforma Protestante. São Paulo: Fonte Editorial, 2014.

[3] Tradução: “Os hereges que eles estão perseguindo”

Share

Proibido cópia, gravação ou reprodução de todo ou qualquer conteúdo desse site.